AINDA NÃO ACABÁMOS COMO SE FOSSE UMA CARTA

14/04/2016

AINDA NÃO ACABÁMOS COMO SE FOSSE UMA CARTA

Documentário realizado por Jorge Silva Melo
"Sou eu que escrevo esta carta, como se fosse uma carta, sim, sou eu. Não tanto para falar de mim, mas do que me prometeram, daquilo que perdi, daquilo que consegui continuar. Prometeram-me um mundo de linhas simples, cresci quando se fazia, ao lado da minha escola, o edifício das Águas Livres de Nuno Teotónio Pereira, Portugal saía do português-suave que se sobrepôs ao modernismo. O mundo que imaginei meu seria assim, simples, sem enfeites.
Foi o que me prometeram tantos dos que vieram antes de mim. Visito aqui os locais - nem todos - que me disseram seriam os da minha vida. Que foi feita por outros que a desenharam. Em Lisboa, ou em Paris, onde trabalhei e onde me sinto em casa. Ou Roma onde não cheguei a instalar-me. Lembro muita gente que me contou o mundo - mas nem todos… É uma carta. Ou... É um autorretrato (auto-filme? auto-golo) comigo de costas: para que quem veja, veja o que eu
vejo. Aquilo que vejo (vi, verei) será aquilo que sou? Mas é uma carta, é a ti que quero contar, a ti, rapaz que quiseste ser actor."
Jorge Silva Melo

AINDA NÃO ACABÁMOS COMO SE FOSSE UMA CARTA

Local
Local

Cinema Ideal, Lisboa