AVANCA 2016 — ENTREVISTA COM ANTÓNIO COSTA VALENTE

27/07/2016
Começou o Festival de Cinema AVANCA 2016 e o ICA conversou com o diretor do Festival.
Doutorado em cinema e professor auxiliar na Universidade de Aveiro, António Costa Valente está à frente do Festival desde 1997.
De 27 a 31 de julho, a 20ª edição do Festival Internacional de Cinema AVANCA 2016 arranca com a estreia do filme "Landing” de Filipe Martins. Filmado em Avanca e produzido pelo festival, conta com a colaboração do Ballet Teatro e da Filmógrafo. 
Um festival que inclui a participação de países de todo o mundo e 15 filmes em estreia mundial.


António Costa Valente fala-nos sobre esta edição do festival e ainda da iniciativa AVANCA em Movimento, um projeto original que leva o cinema a sua casa.
 

AVANCA EM MOVIMENTO

Para celebrar a 20ª edição do festival, surgiu o Avanca em Movimento – como correu esta iniciativa? Será um projeto para repetir nos próximos anos?
Foram momentos deliciosos de encontro, de retrospetiva e de finos debates criativos. O AVANCA EM MOVIMENTO permitiu um embate inesperado com alguns dos filmes que passaram nos 19 anos do AVANCA e a oportunidade de confronto com uma ideia que nos parece muito clara – a liberdade da escolha em cada ano dos filmes que fomos selecionando tem-se traduzido num talismã de um cinema mundial de grande qualidade. Realizadores que estiveram em Avanca com os seus filmes e orientando oficinas ganharam posteriormente o Óscar, Cannes, Berlim ou Karlovy Vary (onde por exemplo Szabolcs Hajdu acaba de ganhar o Grande Prémio).
Pelas casas das pessoas ou pelo comboio Aveiro – Porto, passaram as mais diversas obras. Marcas da liberdade de nunca dizer não ao que verdadeiramente marca este festival – a paixão pelos filmes diferentemente arrebatadores, apostas no risco narrativo, gráfico, temático, obras inesperadas de uma profunda humanidade.
Agora todos perguntam se para o ano vamos continuar com o AVANCA EM MOVIMENTO, mas mesmo que os encontros sejam multiplicados, algo nos diz que para o ano a surpresa, o empenho e sempre a liberdade é o único que estará garantido. "20” rima bem com "liberdade”.


Como reagiram os donos das habitações que receberam as sessões? Tem alguma história curiosa?
Muito bem. Abrir a casa própria é um ato de grande voluntariado e de uma entrega fantástica. Os donos das casas proporcionaram magníficos momentos de convívio e encontramos, em cada um, histórias que desconhecíamos da sua vivência no festival de cinema AVANCA. Algumas quase que nem se podem contar, como também não se conta o final de um filme...


Para além do Avanca em Movimento, podemos esperar mais novidades em celebração deste número redondo?
31 de julho não marca o término do festival, mas sim o início de um conjunto de ações que vão levar o AVANCA 2016 por um périplo em vários países, sobretudo da Europa e dos países lusófonos.
20 edições que contarão com 20 exibições em 20 cidades numa encruzilhada de destinos como um enredo dum filme.

MOVIMENTOS DE DESENVOLVIMENTO DE NOVOS PROJETOS

Em que campos se tem notado mais a evolução do festival, de edição para edição?
A competição internacional de filmes tem procurado estreitar o espaço entre o norte e o sul e o este e o oeste deste planeta, procurando refletir o que de mais interessante se está a produzir em cada ano.
A produção da região do AVANCA tem evoluído exponencialmente, com cada vez mais obras e de melhor qualidade. Com a marca do festival, obviamente.
Os workshops deixaram de ser só um espaço de formação para se transformarem também em momentos de desenvolvimento de novos projetos fílmicos
Tem-se estreitado a ligação com as universidades e o espaço de investigação em cinema, proporcionando novos e complementares rumos aos estudantes e investigadores desta área. O surgir da Conferência científica no seio do Festival parece ter criado um novo modelo de evento internacional na área.


Quantas obras foram submetidas, no total, para participar nesta edição? Quantas foram submetidas na edição anterior?
No conjunto das várias competições, este ano ultrapassamos a barreira dos três mil filmes, o que é particularmente significativo relativamente aos dois mil duzentos e vinte do ano passado.


Aproximadamente quantos visitantes se prevê que estejam presentes no festival este ano? Quantos estiveram presentes na última edição?
Gostávamos de manter o número do ano passado, que ultrapassou os doze mil espectadores. Num ano em que tudo é marcado com um 20, certamente que ultrapassaremos fortemente os vinte mil espectadores entre esta edição 20 e os 20 anos do próximo ano.


Este ano, há algum filme, segmento ou workshop que gostaria particularmente de recomendar às pessoas interessadas no festival?
As longas-metragens em competição trazem grandes momentos para as noites do AVANCA 2016. Os filmes chegam da Argentina, Bélgica, Brasil, Cuba e Sérvia. Um deles terá aqui a sua estreia mundial.
Na cerimónia de abertura será exibido um filme, com produção iniciada no AVANCA 2014, que se espera ser uma surpresa e a melhor forma para iniciar todas as competições deste 20º festival.
O sábado é todo ele ocupado com a produção portuguesa da região, num formato inédito onde se pretende dar o grande ecrã e os cerca de 1000 lugares do Auditório Paroquial de Avanca à mais recente produção portuguesa que aqui estará maioritariamente em estreia mundial.
Nos workshops, dois filmes estarão em rodagem e este é o local onde novos projetos podem crescer. Entre a ficção, a animação e o documentário pode ser aqui o estaleiro dos novos filmes do cinema português. 


Quais as suas expectativas para esta 20ª edição do Avanca?
Esperamos ser surpreendidos com a força mobilizadora e sobretudo criativa do cinema. Esperamos um festival que seja uma verdadeira porta aberta para novos encontros, projetos, criadores, espectadores e obviamente filmes. Tal como os habitantes de Avanca abriram as suas casas para receberem filmes e pessoas com uma grande disponibilidade, também assim queremos que seja a edição deste ano.

“UM ESPAÇO DE ENCONTRO, DIFUSÃO E MULTIPLICAÇÃO DO CINEMA PORTUGUÊS SEM LIMITES”

Qual a importância, na sua opinião, do Avanca para o panorama do cinema português?
Felizmente que os novos cineastas do cinema português mais premiado parecem ter quase todos no seu currículo passagens pelo AVANCA. Felizmente que alguns dos filmes mais premiados do cinema nacional nasceram nestes workshops. Ainda bem que muitos filmes têm surgido com a marca AVANCA na sua lista de créditos e que muitos cineastas têm repetido este gesto na sua filmografia. Venturosamente, o AVANCA  tem recebido novos projetos aos que tem conseguido prestar algum apoio e aos que tem proporcionado janelas de amostragem das suas qualidades e singularidades. Pensamos que o AVANCA tem sido um espaço de encontro, difusão e multiplicação de um cinema português sem limites. O AVANCA, o CINEMA PORTUGUÊS, a criatividade e a liberdade estarão bem por aqui, sempre sem limites.