CURTAS VILA DO CONDE: NOS BASTIDORES DO FESTIVAL

01/07/2016
O ICA entrevistou Miguel Dias, diretor do Curtas Vila do Conde, que nos desvendou alguns segredos do festival. Saiba quais são!

O Curtas de Vila do Conde – International Film Festival parte para a sua 24ª edição. A cada novo ano, o evento continua a atrair diversos públicos com diferentes interesses, destacando-se pela sua programação eclética.

Para ficarmos a saber mais sobre o Curtas Vila do Conde, falámos com o diretor Miguel Dias, que nos contou como conseguiram tornar Vila do Conde numa cidade mundialmente reconhecida pelo seu festival de cinema.

 

Era uma vez, em 1993…

"Antes de iniciarmos a organização do Curtas Vila do Conde, todos nós éramos frequentadores habituais do Festival de Cinema da Figueira da Foz”, começa Miguel Dias. "Era, nessa altura, o nosso festival preferido em Portugal e aquele que conhecíamos melhor”.

Neste sentido, a organização acredita que parte da vontade de criar um festival de cinema originou das frequentes visitas que faziam ao festival da Figueira da Foz.




No período desde que começaram a organizar a primeira edição do Curtas Vila do Conde até à sua implementação, Miguel Dias e a sua equipa visitaram alguns festivais internacionais para selecionar filmes, promover o seu evento e retirar algumas ideias úteis para a sua organização. "Dessa meia dúzia de eventos que visitámos, a maior inspiração terá sido inicialmente a do Festival de Clermont-Ferrand”, confessa.

Com a experiência que já tinham enquanto festivaleiros, ampliada com o que aprenderam nos festivais que visitaram além-fronteiras, implementaram uma primeira edição exemplar, cuja pequena dimensão (na altura) viria a escalar para aquilo que o Curtas Vila do Conde é hoje.

Stereo, o cinema em filmes-concerto

Para além de todos os segmentos dedicados à imagem em movimento, o festival oferece uma variedade de espetáculos musicais em que o cinema é reinterpretado por músicos e bandas em filmes-concerto tocados ao vivo, no segmento Stereo. Este ano, vai contar com espetáculos de Tindersticks, Jay-Jay Johanson, The Legendary Tigerman com Rita Lino e Pedro Maia, e The Greg Foat Group.




"A música esteve sempre presente no festival”, revela, "embora no início dissociada dos filmes. Estava sobretudo presente nas festas no final das sessões. O conceito foi evoluindo”. relembra o diretor. "Penso que a primeira vez que juntámos filmes e música terá sido com o pianista Pedro Guedes, em 1995, acompanhando filmes mudos e em 1997, o realizador italiano Tonino de Bernardi apresentou no festival um filme experimental que juntava cinema e música ao vivo”, recorda.

A primeira vez que houve "um programa mais a sério de filmes-concerto” no Curtas Vila do Conde foi em 2001, com os Cool Hipnoise e os Belle Chase Hotel a fazerem música original para filmes do realizador Charles Bowers. "Isto não é nenhuma ideia inédita, como é óbvio”, faz notar o diretor. "O que fizemos de novo foi criar com esse conceito uma secção permanente do Curtas que se tornou de facto numa imagem de marca. A partir daí foi sempre a evoluir e a aprender”, remata.

“A verdadeira novidade seria não existir qualquer novidade”

A cada edição, há sempre coisas novas. Este ano, por exemplo, foi acrescentado o workshop de crítica cinematográfica. Em termos técnicos, a novidade está na projeção. "Pela primeira vez, temos todas as sessões em ambas as salas com projeção DCP, um enorme esforço técnico e financeiro, também”, revela-nos o diretor.

Para Miguel Dias, as expetativas para esta edição do festival são as habituais: "Que tudo corra bem, com muitos realizadores que fiquem, como de costume, fãs do festival e continuem a passar a palavra, que haja mais espetadores, maior cobertura mediática… em suma, que seja uma experiência positiva para todos os envolvidos.”




Com 241 filmes programados, selecionados de entre cerca de 2.300 obras submetidas, oriundas de todo o mundo, a organização do festival espera manter o número de espetadores acima dos 20.000 para esta 24ª edição.

Para a 25ª edição, que será em 2017, já começam a ser feitos alguns planos. "A nível local, sobretudo, [o número redondo da próxima edição] é uma oportunidade que temos para, uma vez mais, lembrar como o Curtas pode ter tido uma influência positiva nas pessoas ao longo de todos estes anos”, finaliza.

A 24ª edição do festival Curtas Vila do Conde conta com o alto patrocínio da Câmara Municipal de Vila do Conde, do Ministério da Cultura de Portugal, e do ICA - Instituto do Cinema e do Audiovisual, IP.

Para mais informações sobre o festival, visite o website oficial do evento e mantenha-se a par das novidades na página de Facebook.