MIPCOM, PORTUGAL NA MONTRA INTERNACIONAL

30/10/2015
Entre os dias 5 e 8 de outubro, Cannes recebeu a mais importante feira internacional de televisão. Portugal marcou presença.

A maioria das pessoas apenas ouve falar de Cannes uma vez por ano: em maio, pela altura do famoso festival de cinema desta pequena cidade francesa. Os publicitários sabem também que é aqui que decorre, sempre em junho, o mais importante festival de publicidade do mundo. 

 

CANNES, CAPITAL DE TUDO

E parece que o melhor mesmo é esquecer a praia, pois tudo leva a crer que Cannes foi criada, isso sim, para receber eventos de grande escala e importância. A resposta é simples: é aqui que anualmente decorre o MIPCOM, o maior mercado de programas e formatos para TV. O evento decorreu entre os dias 5 e 8 de outubro no "Palais des Festivals et des Congrès” e Portugal esteve presente. 

PORTUGAL À CONQUISTA

Pela primeira vez, Portugal teve um stand na conceituada feira internacional. O principal objetivo? A internacionalização do produto audiovisual português, através da divulgação e venda de novelas, séries e outros formatos de entretenimento.  Pela atenção dos compradores, Portugal teve de "lutar” com gigantes de Hollywood e delegados de 107 outros países representados. 



No stand português, estiveram representados o ICA, a RTP, a SIC, a TVI e a APIT — Associação de Produtores Independentes de Televisão. Desta forma, o stand esteve dividido em cinco espaços devidamente identificados. 




ANTES DA BONANÇA, VEM A TEMPESTADE

Infelizmente, o evento ficou marcado pela tempestade que, na véspera, atingiu a Riviera francesa e levou ao cancelamento da cerimónia de abertura. Apesar da intempérie, a 31ª edição do MIPCOM foi amplamente considerada a mais bem-sucedida de sempre, com 13656 participantes — dos quais mais de 70 foram portugueses.

BALANÇO POSITIVO

A presença de Portugal no MIPCOM foi pensada pelo ICA há um ano e, desde o princípio, foi apoiada e recebida com entusiasmo pelas entidades que se fizeram representar. Terminado o evento, o balanço só pôde ser positivo. O stand nacional esteve sempre muito concorrido e as várias reuniões de trabalho fazem antever um futuro risonho para o audiovisual português.